SÃO PAULO - O início de temporada de Neymar foi desgastante. No fim do ano passado, antes de completar um mês de férias após o término do Brasileirão, se juntou à seleção brasileira sub-20 para a disputa do Campeonato Sul-Americano da categoria. Brilhou no torneio entre 16 de janeiro e o último fim de semana e logo depois da conquista do título seguiu direto do Peru para a Venezuela, onde nesta terça-feira defendeu o Santos na estreia da Libertadores - empate sem gols contra o Deportivo Táchira.

Agora, ele pode ganhar um período de descanso. O técnico Adilson Batista estuda poupá-lo no clássico de domingo contra o Corinthians no Pacaembu, válido pela nona rodada do Campeonato Paulista.

'Apesar de jovem, o Neymar é ser humano, não é uma máquina. Ele jogou no sábado, comemorou (o título sul-americano), viajou, treinou e suportou a partida até o fim. Isso tem que ser analisado', declarou o comandante.

Outros jogadores que preocupam Adilson neste momento são Danilo, Alex Sandro e Alan Patrick, que também estiveram no Campeonato Sul-Americano Sub-20. Todos são dúvidas para o clássico.

Normal. O empate sem gols diante do Táchira foi considerado normal pelo treinador. 'Foi tudo dentro da normalidade, Libertadores é assim.'

E o Santos só volta a entrar em campo pela competição continental em 2 de março, na Vila Belmiro, quando encara o Cerro Porteño, do Paraguai.

Veja também:

Santos estreia na Libertadores com empate sem gols

Antero Greco - Santos poderia ter feito mais na Venezuela

Ganso desemente boatos e garante que continua no Santos