Barça e Real reacendem rivalidade política na final da Copa do Rei

Cristiano Ronaldo, Xabi Alonso e Xavi: craques, rivalidade e política em campo

O segundo jogo da maratona de quatro clássicos entre Real Madrid e Barcelona em 18 dias é de extrema importância. E a disputa entre as duas equipes pelo título da Copa do Rei, que ocorre nesta quarta-feira, às 16h30 (de Brasília), no estádio Mestalla, em Valencia, reacende uma questão que, volta e meia, apimenta o encontro: a rivalidade política representada pelos dois clubes. A Rádio Estadão ESPN transmite ao vivo.

De um lado está o Real Madrid, time da capital e que, como diz o nome, contava com a simpatia da realeza e do governo, simbolizando o estabelecimento e imposição da Espanha como Estado maior. Enquanto isso, o Barça simbolizava a resistência da Catalunha, uma das várias identidades nacionais que se espalham pelo território espanhol.

A cisão ganhou ares ainda mais fortes durante a ditadura de Franco, que governou o país entre 1939 e 1975. Naquela época, a figura futebolística que mais representava o período de repressão era a dos blancos. Já o Barcelona era uma das poucas manifestações da cultura catalã permitidas pelo ditador.

Cristiano Ronaldo, Xabi Alonso e Xavi: craques, rivalidade e política em campo
Crédito da imagem: EFE


Assim, o entrave ganhou os contornos que tem nos dias de hoje, valorizando ainda mais o espetáculo em Valencia. O campo neutro da partida, aliás, promete mais manifestações neste sentido. Enquanto os madrilenhos pedem para os seus torcedores irem de branco e levarem bandeiras espanholas, os catalães prometem assobiar e vaiar o hino nacional espanhol.

Para apimentar ainda mais a disputa, o jornal madrilenho Marca publicou na terça-feira reportagem que fala de supostas declarações nacionalistas do zagueiro Piqué, do Barcelona. "Espanhoizinhos, vamos ganhar a copa do seu rei", teria dito o defensor a um grupo de jogadores rivais após o empate por 1 a 1 no sábado, pelo Campeonato Espanhol.

Cientes de toda a disputa, os dois times devem ir com praticamente todos os titulares que têm à disposição para o embate. Do lado barcelonista, a única mudança certa é a entrada do goleiro Pinto no lugar de Victor Valdés, assim como havia prometido o técnico Pep Guardiola. Puyol e Adriano não estão 100%, mas foram relacionados e podem atuar.

O treinador pediu aos atletas que joguem como estão acostumados. "Não me importa o que aconteceu ou deixou de acontecer no último jogo (sábado). Nossa intenção é tratar de jogar. Eles podem fazer o que quiser, mas nós dependeremos apenas do nosso futebol para sairmos vencedores", declarou.

Do outro lado, o técnico José Mourinho só não terá o volante Lass Diarra, fora devido a uma sinusite, e o zagueiro Albiol, que cumpre suspensão devido à expulsão na última partida. Khedira não treinou desde sábado, mas deve ir para o jogo. "Qualquer um dos dois podem ganhar. Espero que não haja problemas entre as torcidas, mas que dentro de campo tenhamos um grande jogo", afirmou.

FICHA TÉCNICA BARCELONA X REAL MADRID
Local: Estádio Mestalla, em Valência (Espanha)
Data: 20 de abril de 2011, quarta-feira
Horário: 16h30 (de Brasília)
Árbitro: Alberto Undiano Mallenco
Assistentes: Fermin Martinez Ibañez e Jesus Calvo Guadamuro

BARCELONA: Pinto; Dani Alves, Piqué, Puyol (Mascherano) e Adriano (Maxwell); Busquets, Xavi, Iniesta; Pedro (Afellay), Messi e Villa
Técnico: Pep Guardiola

REAL MADRID: Casillas; Arbeloa, Sergio Ramos, Ricardo Carvalho e Marcelo; Pepe, Khedira e Xabi Alonso; Ozil, Dí Maria e Cristiano Ronaldo
Técnico: José Mourinho